sexta-feira, 4 de julho de 2008

Libertação de INGRID BETANCOURT

LIBERTAÇÃO DE BETANCOURT É O COMEÇO DO FIM DO POPULISMOpor Aluízio AmorimDepois de analisar todo o material veiculado pela imprensa brasileira,sites e blogs, chego a uma conclusão a respeito da espetacular ação deinteligência militar da Colômbia que resgatou Ingrid Betancourt dasgarras dos terroristas das FARC: que bom seria se todos os paíseslatino-americanos fossem governados por presidentes como o colombianoÁlvaro Uribe.O governo brasileiro sob o comando de Lula e seus sequazes emitiu umanota ridícula, não conseguindo esconder sua decepção com mais estavitória da democracia, fato que envergonha os cidadãos brasileirosdecentes e democratas.As evidentes repercussões políticas na América Latina, resultantes daação libertadora colombiana, se traduzem num salutar enfraquecimentoda idiotia comuno-bolivariana e de seus líderes, incluindo aí, comonão poderia deixar de ser, o presidente brasileiro, ele também um dosfundadores do famigerado Foro de São Paulo, organização esquerdista daqual as FARC fazem parte.Oxalá o continente latino-americano, em face deste auspicioso evento,acorde dessa orgia comunistóide que tem isolado a região do mundodesenvolvido, especialmente dos Estados Unidos e dos principais paíseseuropeus.O isolamento a que me refiro significa, em termos econômicos, perderoportunidades de alinhar-se com parceiros detentores dos melhores emaiores projetos científicos e tecnológicos do planeta; e, no planoinstitucional, afastar-se dessas nações que acumulam apreciávelexperiência na manutenção da lei e da ordem sob o signo da liberdade,esta garantida por sólidos fundamentos democráticos.Em outras ocasiões já afirmei que o sistema capitalista é irreversívele, malgrado suas imperfeições, até porque é obra humana, depende dademocracia e da liberdade não só econômica, mas fundamentalmente, da
liberdade política, algo que é sonegado por regimes de viésesquerdizante.É isto também que deverá acontecer em futuro imediato em Cuba, naCoréia do Norte e, sobretudo na China, nações estas submetidas àtirania de regimes ditos salvacionistas, mas que na verdade tomaram deassalto os respectivos Estados em proveito exclusivo de seus mentores.Lá, mais cedo do que se imagina, as liberdades democráticas haverão detriunfar.Aliás, isso ficou muito evidente com a queda da ex-URSS, tanto é queos cidadãos que foram libertados do jugo comuno-fascista nem queremmais ouvir falar em socialismo.Portanto, a ação das forças de segurança da Colômbia ao libertarIngrid Betancourt e demais reféns que estavam em poder dos terroristasdas FARC representa um golpe mortal não só contra o narco-terrorismo,mas em grande medida lança uma ducha de água fria sobre a desastrosaaventura comuno-populista posta em marcha por meia dúzia de tiranetesbotocudos.A bem sucedida campanha libertária da Colômbia ainda tem um salutarefeito, qual seja o de trazer para o seio da opinião pública um debateessencialmente político que faz com que os cidadãos reflitam sobre umfato: a melhor solução para o desenvolvimento, a segurança e obem-estar coletivos continua sendo o regime democrático e a execraçãode todo o tipo de violência e terrorismo, sejam quais forem seu matizideológico.DO INFERNO PARA A LIBERDADEpor Rodrigo Constantino"A complacência de hoje é paga com a angústia de amanhã; e se elapersiste, com o sangue de depois de amanhã." (Suzanne Labin)"Uma manhã chuvosa, como a minha alma". Assim Ingrid Betancourt iniciaa carta que escreveu em 2007 no cativeiro, e que chegou aos seusfamiliares após a prisão de guerrilheiros das Farc em Bogotá. Elaestava seqüestrada desde 2002 pelos guerrilheiros marxistas, e seus
relatos serviram para despertar o mundo para a situação caótica dosreféns mantidos pelas Farc. Seu desespero era tão grande, que elapassou a ver a morte como "uma opção amena". A distância de seusfilhos foi descrita como um veneno em sua infinita solidão, "como seme injetassem cianureto nas veias, gota a gota". Ela escreve que paroude comer, e que não sentia mais vontade de nada, pois o melhor é nãoquerer nada, "para pelo menos ficar livre de desejos", já que aresposta dos guerrilheiros era 'não' para tudo. "A vida aqui não évida, é um desperdício lúgubre do tempo", ela desabafa na cartaemocionada. Todos "são obrigados a dormir no fundo de um buracoqualquer, deitados em qualquer lugar, como animais". Felizmente, todoesse enorme sofrimento chegou ao fim para Ingrid, que foi resgatadapelo Exército colombiano hoje.Após ser resgatada junto com um grupo de 14 reféns, Ingrid deu umdepoimento onde agradeceu a Deus e aos soldados da Colômbia pela"operação impecável" dos militares. Os agentes se infiltraram nas Farce se disfarçaram usando camisetas de Che Guevara, ídolo dosterroristas. As Farc já vinham sofrendo várias derrotas por causa deuma ação mais dura do governo Uribe, incluindo o ataque na fronteirado Equador que resultou na morte do segundo homem na hierarquia dogrupo. Nessa operação, ocorreu a apreensão do computador comimportantes dados das Farc, como a milionária quantia de ajudaacertada com o governo Chávez. Fora isso, o líder dos guerrilheiros,Manuel Marulanda, morreu, representando mais um duro golpe contra oscriminosos. O cerco foi se fechando, e alguns guerrilheiros seentregaram. As Farc estão, finalmente, desmoronando, depois de mais de40 anos espalhando o terror pela Colômbia. A brilhante operação quelibertou Ingrid e outros reféns representa praticamente um xeque-mate
para os guerrilheiros financiados pelas drogas. Tomara que o golpefinal não demore! Afinal, vários reféns ainda estão sob o domínio dosguerrilheiros.O governo Uribe está de parabéns, assim como os militares envolvidosno resgate. Uribe tem lutado praticamente isolado contra osguerrilheiros, já que muitos presidentes latino-americanos são aliadosou obsequiosos com as Farc. O Foro de São Paulo, criado pelo PT deLula e Marco Aurélio Garcia, ao lado do ditador Fidel Castro, tem dadoinclusive declarações de apoio aos guerrilheiros. A resolução no 9 doX Encontro do Foro diz "ratificar a legitimidade, justeza enecessidade de luta (das Farc)". O governo Lula se recusa a definir asFarc como terroristas. Durante o governo de Olívio Dutra, orepresentante das Farc, Hernan Rodriguez, foi recebido pelo governadorno Palácio Piratini. A revista VEJA trouxe denúncia da existência dedocumentos da ABIN relatando apoio financeiro das Farc para candidatospetistas. Sabe-se que as Farc celebraram a vitória de Lula naseleições. A esquerda, de forma geral, prega sempre uma maior"negociação" entre as partes, ignorando que de um lado está o governodemocraticamente eleito, e do outro um grupo de traficantes eseqüestradores assassinos. É como se defendessem uma negociação entrea polícia e Fernandinho Beira-Mar!A esquerda francesa também pregava, na década de 1930, mais "conversa"com Hitler, e os comunistas exortaram os trabalhadores a abandonaremas fábricas bélicas pouco antes da invasão dos nazistas. A mesmaesquerda costuma defender a diplomacia com terroristas, como se fossepossível debater com Osama Bin Laden num chá em Londres! No fundo,essa postura pode ser fruto da covardia em alguns casos, e da safadezaem outros, pois há alguma afinidade com os bandidos por motivosideológicos. Tudo que é contra o capitalismo liberal e seu maior
ícone, os Estados Unidos, passa a ser visto como um aliado. NosEstados Unidos, costuma prevalecer a máxima de que com terrorista nãose negocia. A atitude mais dura de Uribe contra as Farc merece, nessesentido, fortes aplausos. Ela que tem sido importante nodesmantelamento dos guerrilheiros. Não os discursos vazios e aretórica "humanista" dos presidentes esquerdistas que, no fundo,preferem as Farc ao governo de Uribe.No Brasil, o que mais se aproxima das Farc é o MST, grupo de invasorescriminosos que vivem com o financiamento de verbas estatais. Sãoinspirados pelo marxismo também, e usam o mesmo tipo de ideologia paraincitar a inveja e o ódio nas pessoas e partir para a pilhagem daspropriedades privadas. O MST, o embrião crescido das Farb (ForçasArmadas Revolucionárias do Brasil), tem agido impunemente, depredandopropriedades, obstruindo o progresso, e doutrinando desde cedo ascrianças em suas "escolas", onde o marxismo é o dogma a ser seguidopor uma seita fanática. Novamente, a esquerda é conivente com oscriminosos, chamando-os de "movimento social". Quando muito, criticamde forma tímida alguns meios, mas aprovam os fins. O MST ainda não temo mesmo poder das Farc, mas vem crescendo, alimentado pelo própriogoverno. É preciso cortar o mal pela raiz, e impedir esse avançourgentemente. A primeira medida deveria ser cortar os recursosrepassados para todas as ONGs ligadas ao movimento criminoso. Asegunda medida seria atuar com rigor contra os invasores. O difícil éesperar isso de um governo cúmplice do movimento, quando o própriopresidente Lula veste literalmente o boné dos invasores.Mas hoje é uma data que deve ser celebrada. A principal refém das Farcfoi libertada pelo Exército colombiano, e os guerrilheiros estão maisperto do fim agora. Uma família separada pelos marxistas poderá se
reunir novamente. Infelizmente, não é o fim do sofrimento para muitosoutros que ainda são vítimas desses criminosos. Qualquer um quevaloriza a vida e a liberdade tem a obrigação moral de condenarveementemente essa ideologia assassina. Os prisioneiros das Farc,assim como os prisioneiros de Cuba, do Zimbábue e da Coréia do Norte,os regimes comunistas ainda existentes, têm o direito de ser livretambém. E todos aqueles que ainda conseguem defender tamanhabarbaridade, não passam de cúmplices desses seqüestradores. Sejamos francos: quem ainda prega o comunismo não tem caráter! IngridBetancourt saiu direto do inferno para a liberdade. Esses safados desejam o contrário para todos nós: tirar nossa liberdade e nos lançarno inferno!

Nenhum comentário: